Claudia e Um Pouco da Vida nos Estados Unidos

A Claudia mora nos Estados Unidos com o marido e os 3 filhos. Ela conta sua trajetória e fala sobre a vida na América do Norte.

Processed with VSCO with l7 preset

Processed with VSCO with b5 preset

Um pouco da história de vida da Claudia e de como chegou no país onde vive atualmente

Com 16 anos minha mãe decidiu se mudar para Ithaca no norte de Nova York para estudar e, principalmente, dar uma oportunidade melhor para minhas irmãs e para mim.

Ela é uma mulher aventureira, que sempre acreditou em viver a vida ao máximo, sempre superando standards (padrões) que a sociedade considera normais ou adequados.

Ela fez esta mudança na cara e na coragem, junto com três filhas. Nos levou sozinha a um país novo onde a língua era diferente, sem emprego, com o dinheiro que ela tinha guardado, que não era muito.

Construímos nossa vida aqui nos Estados Unidos como estudantes, abrindo nosso horizonte de possibilidades infinitas.

Como são os dias da Claudia 

Tenho 3 pequenos , Kai 8, Alaia 6, e Bela 3.

Acreditamos e ensinamos que a casa onde vivemos é um lugar seguro onde crescemos, questionamos, e respeitamos um ao outro. Este é o lugar onde construímos nossos valores e honramos cada pessoa pelo que somos. Cada um tem seu papel para fazer deste lugar o que ele é hoje.

Passamos horas juntos, estudando e explorando as nossas curiosidades, discutimos sobre o que sentimos com relação ao que está passando na vida de cada um.

Todos ajudam com a limpeza, preparo da comida e finalmente respeitamos momentos livres onde cada um pode brincar e fazer o que gosta.

Passamos a maior parte do tempo fora de casa, no jardim.

Somos uma família muito unida e tentamos estar sempre conectados à natureza. Toda semana vamos juntos fazer trilhas, colecionar tesouros que a natureza nos presenteia e também encarar medos que surgem no caminho, ou outras coisas desconhecidas.

Para nós, a natureza é a melhor professora, através dela temos não só nossa comida, mas também a habilidade de sobreviver.

DSC07956

Processed with VSCO with m2 preset

Processed with VSCO with a1 preset

Processed with VSCO with a1 preset

DSC04136

DSC05753

Sobre a cultura americana

O que mais me agrada de viver aqui é ter a liberdade de explorar o que quero e a habilidade de fazer isso sem preconceitos.

Foi aqui que aprendi sobre a importância de viver de uma maneira simples, mas presente, em contato com a minha essência e o que quero passar aos meus filhos.

Eu não sinto a pressão de ter dinheiro e status como sentia no Brasil.

Foi difícil no começo, se libertar de certas normas negativas que sentia muito em São Paulo, mas também senti muita falta do calor humano e das amizades que realmente são verdadeiras e que nunca consegui desenvolver aqui.

A experiência da maternidade longe da família

Eu tive meus 3 filhos aqui nos Estados Unidos. Quando engravidei tudo que sabia era que cesária era normal. Não tinha ideia do que o meu corpo era capaz.

A mãe do meu marido, que teve 4 filhos em casa, foi quem me iniciou na jornada de conhecer meu corpo, da importância de deixar ele fazer seu próprio trabalho e de ver a gravidez como um presente, um momento sagrado que é seu, do seu marido e do seu pequeno.

Com meu primeiro filho tive uma doula, troquei de médico, pois não queria um parto induzido, nem ter cesária. Queria parto normal, sem remédios, mais ainda não me sentia segura em ter fora do hospital.

Minha experiência no hospital foi muito intensa, apesar de ter sido normal, mas com minhas outras duas filhas tivemos elas em casa, na água, junto com nossos filhos, e foi aí que entendi a importância do que é trazer um pequeno ao mundo, do que é ter uma família tão unida.

No Brasil, nesta época que tivemos nossos filhos, todos me achavam louca e que estava colocando meus filhos em risco. Sei que se estivesse lá não teria essa liberdade e a coragem de ter um parto normal, sem médico, só com uma parteira e minha família.

A alimentação da família e o que costumam cozinhar

Quem cozinha normalmente sou eu e as crianças. O ato de cozinhar é muito importante quando dividimos a experiência. O jantar é a nossa refeição mais importante, Kai e Alaia preparam (lavam e cortam) os ingredientes, enquanto Bela coloca a mesa e eu fico no fogão. Colocamos música brasileira, cantamos e trabalhamos.

DSC08057

DSC08063

DSC07934

Comemos muitos rainbow bowls, normalmente com legumes e ingredientes de várias cores. O favorito aqui é com quinoa roxa, lentilhas ou feijão preto, salada de repolho com cenoura e pepino, cogumelos caramelizados, couve refogada ou no vapor, e para finalizar, abacate. Tudo dentro de uma cumbuca pra cada um 🙂

No outono e inverno fazemos muitas sopas e legumes. Os favoritos aqui são: abóbora e sopa de frango.

Aveia é o café da manhã favorito, com leite de amêndoas, banana e maple syrup!

DSC07946

Meus filhos e marido são apaixonados por comida brasileira e vamos sempre que temos um craving (desejo) ao um restaurante brasileiro e comemos arroz, feijão, farofa, vinagrete , banana caramelizada e frango à milanesa . Às vezes pastéis e pão de queijo 🙂

O almoço normalmente é o que sobrou do jantar anterior ou sanduíches, como o de pão italiano feito na panela com um pouco de azeite de oliva, abacate amassado com coentro e cebola roxa, e tomate fresco do jardim.

Quando as crianças fazem aniversário, sempre preparamos um bolo ou torta juntos, e eu costuro uma coroa para eles usarem, representando suas paixões e a fase que estão vivendo.

Esta é a foto da torta que fizemos para o Kai quando ele completou  9 anos 🙂

DSC08236

Sobre escola e infância bilingue 

Meus 3 filhos frequentam uma escola Waldorf.

Cada um leva o seu lanche de casa, um quente (sobra do jantar), uma fruta e um legume cru. Na escola não se usa nada de plástico (no waste), cada um tem seu guardanapo de pano e potinhos de metal. Lá também não deixam as crianças levarem nenhum tipo de doce. Açúcar atrapalha a criança, deixa mais agitada e dificulta o foco.

Uma das coisas que amo aqui é que consigo achar escolas de graça que seguem meus valores. Como Charter schools, escolas financiadas com ajuda de doações dos pais, comunidade e parcialmente pela cidade.

Como os meus filhos nasceram aqui, falam inglês sem problemas, mas em casa falamos português, para não esquecerem.

Claudia, muito obrigada por compartilhar sua história tão linda! Que ainda venham mais lindos capítulos pela frente, cheios de momentos especiais como os que podemos ver aqui.

 

1 comentário Adicione o seu

  1. Adorei o relato! Esta é minha família! Amo vocês! Tio Dadão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s